quarta-feira, 19 de maio de 2010

História única, estereótipos e outros enquadramentos.

A palavra é o meio pelo qual, cada um de nós se utiliza para dizer do outro, para constitui-lo, defini-lo, categorizá-lo. Identidades não são, pois, fixas, mas construídas nas, e pelas relações que estabelecemos com o mundo. É a forma com que os outros me olham, me significam e como estabeleço relação com estes processos sociais, que me constituem como sujeito. A construção de identidades está assim relacionada com o lugar de onde vemos, submetida àquele que vê, que ouve, que assiste, que lê. De igual importância neste processo: do que se mostra, se narra, se escreve.

A construção de identidades supõe uma relação de poder daquele que define para aquele que é assim , definido, sendo utilizado, muitas vezes, para impor ao mundo representações, escrever histórias únicas. O outro, diverso, não raras vezes passa a ser entao entendido, como o estranho, o exótico, o inferior.


Estereótipos e preconceitos – legitimadores de relações de sujeição ou de exclusão – surgem a partir da construção de narrativas únicas . O rol de identidades que se cria, para explicar o outro, é imenso, e nessas narrativas, com frequência, a presença da diferença como sinônimo de inferioridade, o lugar do desvio. O outro, diferente, não representa apenas um outro que não sou eu, mas aquele que, diverso, foge ao padrão e sob esta condição, necessita ser normalizado.


Traduções hegêmonicas incorrem em uma visão simplista, pouco complexa, que não dão conta de explicar o outro ou os outros dos quais falamos, pelo fato de que negam a substancialidade dos sujeitos. Igualmente simplista é a compreensão de que todo grupo goza de imunidade, uma vez que, como sujeitos históricos carregamos marcas identitárias que dificultam romper com o instituído e com a ordem dada, podendo, ainda, que estereótipos, pelo reforço do discurso, passem a serem tomados como verdades absolutas.


Nestes enquadramentos que realizamos, mulheres são delicadas e frágeis; gordinhos são sempre simpáticos; homens não choram; surdos são agressivos; negros, sempre pobres; nordestinos, preguiçosos; norte americanos, ricos; italianos, sovinos; os britânicos, reservados e polidos; alemães, trabalhadores e adoradores de cerveja e os orientais...ah como são sábios!

A família, a mídia e os livros didáticos inserem-se aí como os grandes responsáveis pela formação de estereótipos. No entanto uma visão superficial de qualquer que seja a realidade pode incorrer em padronização e à construção de conceitos generalistas, tomando-se o particular como o geral, de forma equivocada.

O vídeo abaixo, indicação do amigo José Roig, é a leitura da escritora nigeriana Chimamanda Adichie sobre histórias únicas que lhe foram contadas e de como isso pode interferir na formação de povos, culturas e sujeitos, dificultando a comunicação intercultural.

Obs.: Selecionar "português" em subtitles

6 comentários:

A Equipe disse...

Meu Blog Tem Conteúdo

Seleção dos Melhores Blogs Culturais do Brasil!
http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

Parabéns pelo seu Blog!!!

Você está fazendo parte da maior e melhor
Seleção dos Melhores Blogs Culturais do Brasil!!!!
-Só Blogs Premiados -
Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
os melhores e mais prestigiados Blogs Culturais do Brasil!

O seu link encontra-se Aqui:

http://meublogtemconteudo.blogspot.com/


Pegue nosso selo em:
http://meublogtemconteudo.blogspot.com/


Um forte abraço,
Da Equipe do Meu Blog Tem Conteúdo

http://meublogtemconteudo.blogspot.com/

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil! - disse...

VejaBlog
Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil!
http://www.vejablog.com.br

Parabéns pelo seu Blog!!!

Você está fazendo parte da maior e melhor
seleção de Blogs/Sites do País!!!
- Só Sites e Blogs Premiados -
Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
os melhores e mais prestigiados Blogs/Sites do Brasil!

O seu link encontra-se no item: Blog

http://www.vejablog.com.br/blog

- Os links encontram-se rigorosamente
em ordem alfabética -

Pegue nosso selo em:
http://www.vejablog.com.br/selo


Um forte abraço,
Dário Dutra

http://www.vejablog.com.br
....................................................................

Jenny Horta disse...

Elis, seu texto está simplesmente ótimo! E seu blog lindo, em visual e conteúdo. Estava devendo uma visita e o vídeo de Chimamanda, não só rende discussão como mexe fundo com toda a hegemonia cultural que perpetuamos através dos séculos, através da educação. Penso que Paulo Freire, dentre outros, já viam isto há muito, mas agora o recado vem chegando de "outros lados". Quem imaginaria um retirante nordestino na presidência, ou ainda no Irã, fazendo tentativas para negociar a paz?

kaf disse...

Oi,

Adorei o seu texto e o video da Chimamanda Adichie. Vc sabe se há possibilidade de baixá-lo?

Obrigada

Elis Zampieri disse...

Oi Kaf. Os filmes do TED creio que nao é possível baixar. Mas esse video está também no You Tube, dividido em duas partes: Aqui http://www.youtube.com/watch?v=O6mbjTEsD58 e aqui: http://www.youtube.com/watch?v=SZuJ5O0p1Nc. Você pode baixá-lo usando o Vdouwnloader.

Abraço.

Elis Zampieri disse...

Oi Jenny, obrigado pela visita, amiga.
É fato, algumas pessoas conseguem imaginar histórias além daquelas que lhes foram contadas. A isso chamamos superação. Mas a escola tem papel importante nisso. Muitas das histórias únicas que conheci foram lidas em livros didáticos.

Um abraço.